Cuide do seu coração: Saiba alguns fatores de risco

As doenças cardiovasculares são nos dias de hoje, uma preocupação mundial. Direta ou indiretamente são as responsáveis por elevado número de mortes em todos os países, em particular nos grandes centros urbanos.

Prevenir as doenças cardiovasculares tem que ser meta prioritária e permanente. Os estudos mostram que aqueles que sofreram ataquês cardíacos, geralmente apresentavam um ou mais “fator de risco”, tais como:

– Hipertensão Arterial

– Colesterol aumentado no sangue

– Tabagismo

– Obesidade

– Sedentarismo

– Diabetes

– Stress

– Fatores Genéticos

HIPERTENSÃO ARTERIAL

A Hipertensão Arterial tem sido associada a uma incidência aumentada de ataques cardíacos e derrames cerebrais. Estima-se que 20% da população adulta apresenta Hipertensão Arterial. Quando a hipertensão está associada a outras condições, tais como: obesidade, tabagismo, altos níveis de colesterol ou diabetes, o risco de infarto do miocárdio e derrame cerebral multiplica-se várias vezes.

Em muitas pessoas a pressão arterial elevada pode permanecer assintomática durante muitos anos, por isto é chamada de “assassina silenciosa”. Esta é uma das mais importantes razões para se fazer exames médicos periódicos.

A Hipertensão Arterial tem origem familiar em aproximadamente 95% dos individuos hipertensos e o seu tratamento consiste fundamentalmente na diminuição da ingestão de sal, redução do peso corporal e medicamentos. Na maioria das pessoas a pressão alta não tem cura, necessitando de um tratamento de manutenção por toda a vida, com o objetivo de evitar complicações graves com o infarto do miocárdioeo derrame cerebral.

TABAGISMO

O fumo é um dos piores inimigos para o seu coração. São as estatisticas que demonstram estar o vício do fumo sempre ligado à maior incidência das doenças das artérias coronárias, com todas as suas complicações – angina de peito, infarto do miocárdio e morte súbita. O perigo aumenta de acordo com a quantidade de cigarros fumados e com o número de anos em que eles são consumidos. O tabaco age sobre o coração, principalmente através da nicotina e do monóxido de carbono.

Acelera os batimentos. Contrai os vasos sangüineos. Lesa o revestimento interno das artérias coronárias. Diminui o aproveitamento do oxigênio nos diversos tecidos do organismo, principalmente no próprio músculo cardíaco e aumenta a coagulabilidade do sangue. O abandono do vicio do fumo diminui sensivelmente a probabilidade do aparecimento de doenças do coração.

COLESTEROL

As doenças cardiovasculares estão entre as principais causas de mortalidade, de aposentadoria por invalidez e de licença temporária do trabalho. Entre as doenças cardiovasculares, a de maior incidência é a doença arterial coronariana, que se traduz pela insuficiência da irrigação sangüinea ao coração através das artérias coronárias. O aumento dos níveis de colesterol causam a obstrução das artérias coronárias chamada de “aterosclerose”, levando ao aparecimento de Angina de Peito, Infarto do Miocárdio e Morte Súbita.

O conhecimento dos níveis de colesterol sangüineo circulante é de extrema importância para a prevenção da doença coronariana e do ataque cardiaco. E necessária a medição do colesterol periodicamente em todos os indivíduos adultos, sendo desejável manter estes niveis abaixo de 200mg%. Acima de 240mg%, há alto risco para o aparecimento de ataque cardíaco, quando medidas preventivas terão que ser tomadas, variando desde orientação alimentar e atividade física até o tratamento medicamentoso.

STRESS

A vida moderna trouxe o “stress” ou tensão emocional, resultante de situações de pressão e exigéncias no nosso dia-a-dia no trabalho, em casa e nas relações com as pessoas. Para os individuos que têm ‘problema de coração” ou “pressão alta”, o “stress” pode agravar a doença e dificultar o tratamento. Se não podemos eliminar o “stress” das nossas vidas, devemos aprender a administrá-lo. Procure programar suas atividades, dividindo responsabilidades e reservando tempo para o lazer, convivio com os amigos e a familia. Evite o cigarro, o café e o alcool em excesso. Busque orientação médica.

OBESIDADE

Comprovadamente a redução do peso corporal provoca a diminuição dos niveis elevados de colesterol e da pressão arterial. Assim, conseqüentemente, a obesidade – qualquer que seja a sua causa determinante – é fator preponderante no aparecimento e progressão da aterosclerose e de todas as suas complicações cardiovasculares. Dessa maneira, deve ser combatida, atacando-se as suas causas com dieta apropriada e exercicio fisico regular, adequado a cada pessoa, mas sempre sob orientação médica.

SEDENTARISMO

A própria Organização Mundial de Saúde indicou o combate ao sedentarismo como fator da mais alta prioridade na prevenção da aterosclerose e das doenças a ela relacionadas. Isso porque a vida sedentária não só leva ao aumento da obesidade como também provoca uma diminuição na capacidade física de trabalho. Dessa maneira, exercicios físicos bem orientados e praticados com regularidade, reduzem não só o peso corporal como também colaboram para a diminuição dos niveis de gorduras circulantes no sangue e da sua pressão arterial.

DIABETES

Admite-se hoje que a existência de diabetes em adultos está sempre associada ao aumento das doenças cardiovasculares. Assim, a prevenção e o tratamento do diabetes é fator primordial para se evitar a progressão das doenças cardiovasculares, já que está comprovada a estreita associação deste distúrbio metabólico com outros fatores de risco, como obesidade, níveis elevados de gorduras no sangue e hipertensão arterial, bem como o seu efeito maléfico sobre a função do músculo cardíaco.

FATORES GENÉTICOS

Uma pessoa cujos pais ou avôs sofriam do coração, em principio pode estar mais predisposta que as outras –embora não obrigatoriamente – a ter o mesmo problema. E a isto que se chama de hereditariedade, os fatores genéticos que um filho herda de seus pais Nesses casos, o único caminho é o do cuidado para se evitar que este fator de risco latente, se una aos demais para desencadear ou aumentar uma doença cardiovascular.

Fonte: http://www.sitemedico.com.br

Treinar ouvindo música ajuda ou atrapalha?

É comum ver pessoas com fones de ouvido enquanto correm, seja em treinos pela
cidade, em academias ou em corridas de rua. Para os atletas que trabalham em
assessorias esportivas não há dúvida: a música anima e influencia o ritmo da
passada.

O treinador Marcos Paulo Reis, com 20 anos de experiência, afirma que a
combinação corrida e música é ótima para os preguiçosos e para as pessoas que
não têm companhia para praticar esportes. “A batida vai botar o cara para cima,
animá-lo e se tornar sua companheira”, explica. “Os atletas que correm há mais
tempo costumam ter músicas específicas para treinos mais fortes e para os mais
leves”, explica.

Mas é preciso ter cuidado, pois a música pode ser vilã no caso de atletas
distraídos. “Em treinos técnicos em que há variação de velocidade, a música pode
atrapalhar o ritmo”, afirma Alexandre Burani, treinador da Fabio Guimarães
Fitness. “Já em corridas de ritmo constante, as melodias podem ser um grande
estímulo”, completa. Além disso, a empolgação com a trilha sonora pode fazer com
que os iniciantes parem de prestar atenção na frequência cardíaca, por exemplo,
e acabem passando dos limites. “O cara que está correndo na rua, por exemplo,
deve estar atento aos carros, às pessoas a sua volta e, principalmente, ao
próprio corpo”, adverte Reis.

Quanto ao tipo de música perfeito, os dois especialistas afirmam que as
batidas eletrônicas e as de rock são as mais populares. “O que importa mesmo é
escolher o ritmo que faz bem e estimula o atleta. Tenho até alunos que gostam de
correr ouvindo MPB”, conta Burani.

Musculação, o remédio da pesada contra o diabete

“Na receita médica de quem não quer sofrer com a doença deve estar prescrito o levantamento de peso. Somado ao exercício aeróbico, ele tem o mesmo poder de um medicamento no controle do açúcar no sangue.”

 

O halter é mais do que um instrumento em prol do vigor e da beleza. Peça básica das academias, ele também dá uma força e tanto para domar o mal que eleva a glicose na circulação. É o que comprova um trabalho da Universidade do Estado da Louisiana, nos Estados Unidos. Lá, cientistas separaram 262 diabéticos do tipo 2 em dois grupos: um se concentrava nas práticas aeróbicas, como a corrida; já outro aliava as passadas a exercícios anaeróbicos — a famosa musculação. Após nove meses, os pesquisadores averiguaram o índice de açúcar dos últimos 90 dias. Entre os que adotaram a combinação, houve uma redução de quase 7% nesses níveis, o dobro em relação à outra turma. “Estudos feitos com remédios mostram diminuição semelhante”, diz Carlos Eduardo Barra Couri, endocrinologista da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto, no interior do estado.

Além disso, o aumento no uso de medicamentos ficou em torno de 18% nos participantes que fizeram o treino duplo, contra 22% em quem se limitou às pedaladas. “Aparentemente, atividades aeróbicas e resistidas são complementares, porque mexem com mecanismos diferentes no corpo”, ressalta o fisiologista Timothy Church, que assina o estudo. Na hora de tirar um peso do chão, a via utilizada pelo organismo para conseguir energia é diferente da empregada em uma caminhada. “A atividade anaeróbica tende a usar glicose, enquanto a aeróbica se vale, dependendo da duração, mais da gordura”, esclarece o educador físico William Komatsu, da Universidade Federal de São Paulo, a Unifesp.

Não custa reforçar: é a mistura entre supino e esteira que traz melhores resultados. Isso porque, se por um lado erguer barras pesadas torra glicose aos montes, são as passadas largas e rápidas que diminuem a barriga. “E o acúmulo de gordura na região abdominal prejudica o trabalho da insulina”, explica Marisa Passarelli, fisiologista do Laboratório de Lípides da USP. Se esse hormônio não funciona corretamente, a glicose fica fora das células e, logo, sobra nas artérias. Mais do que esvaziar os pneus da cintura, esportes como a natação condicionam o sistema cardiovascular. Isso, além de facilitar o trabalho da insulina, serve como proteção contra infartos e afins. “Problemas no coração são, disparado, a principal causa de morte entre diabéticos”, reforça Nabil Ghorayeb, médico do esporte e cardiologista do Hospital do Coração, na capital paulista.

Para se valer dos benefícios dessa união, no entanto, é importante visitar a sala de ginástica com frequência. Em contrapartida, exagerar na malhação é um tiro pela culatra (saiba o porquê no quadro acima, à esquerda), especialmente para quem tem diabete e, portanto, necessita de cuidados antes de pôr o calçado esportivo. Um deles, aliás, é usar tênis adequados e meias para evitar feridas nos pés que podem passar despercebidas e, então, culminar em problemões (observe na lista ao lado outras medidas essenciais). Desde que tudo esteja em ordem, tenha certeza: qualquer academia é bem-vinda aos diabéticos em busca de uma vida saudável.

NADA DE EXCESSOS!
Os níveis de açúcar de quem não maneira na atividade física ficam instáveis. Em alguns casos, caem drasticamente, gerando hipoglicemia. Em outros, são catapultados. “A sobrecarga pode aumentar a presença de hormônios como a adrenalina, que estimulam a descarga de glicose na circulação”, atesta William Komatsu, da Unifesp. Esse quadro, se mantido por muito tempo, afeta os vasos sanguíneos.

CHECKLIST DO DIABÉTICO
›› Fazer testes ergométricos regularmente
›› Medir a glicose antes, ao longo e depois da atividade
›› Realizar exames oftalmológicos
›› Não se exercitar com glicemia acima de 250 mg/dL
›› Andar com identificação de diabético
›› Coordenar, com o médico, o uso dos medicamentos
›› Fazer uma avaliação cardiológica completa
›› Levar sachê de açúcar líquido para eventual hipoglicemia

Fonte:http://saude.abril.com.br

A importância dos exames antes do início do programa de condicionamento físico

A anamnese permanece como a fonte mais rica de informação, devendo ser completa e detalhada, com ênfase para o histórico familiar e sintomas sugestivos de doença cardiovascular, principalmente, quando desencadeados pelo esforço. Antecedente familiar de cardiopatia congênita, morte súbita de parentes (homens com menos de 55 anos e mulheres com menos de 65 anos), além de antecedentes pessoais de hipertensão arterial, diabetes e insuficiência coronariana devem ser questionados. Indivíduos que apresentam sintomas de dispnéia, precordialgia, palpitações, tonturas ou síncope que são desencadeados pelo exercício, devem ser submetidos à investigação mais detalhada.

O exame físico deve ser realizado após a história clínica, observando-se hidratação e palidez das mucosas, medidas antropométricas, medida da pressão arterial, palpação dos pulsos periféricos e ausculta cardíaca. Algumas condições como sopros cardíacos, terceira ou quarta bulhas e estalidos podem estar relacionadas com cardiopatias e implicam avaliação mais aprofundada, no sentido de confirmar ou afastar a suspeita de cardiopatia estrutural.

A medida correta da pressão arterial também se mostra fundamental, podendo inclusive orientar o diagnóstico de um quadro de hipertensão arterial não suspeitado.

O eletrocardiograma de repouso é um exame de triagem que oferece condições de diagnosticar algumas doenças cardíacas assintomáticas, que podem resultar em risco durante o exercício.

O teste de esforço trata-se de um método que permite analisar as respostas clínicas, eletrocardiográficas e hemodinâmicas ao esforço: importante – entre outros aspectos – para a detecção e quantificação de arritmias, resposta hipertensiva e isquemia miocárdica induzidas pelo esforço.

Através destas medidas, o profissional da área da saúde garante que a probabilidade de intercorrências durante os exercícios físicos serão minimizados.

Fonte: Site Fitness Brasil (http://www.fitnessbrasil.com.br/novo_site/news_detalhe.asp?Editoria=5%20&Id=997)

Octavio de Almeida precursor do Jiu-Jitsu Infantil em SP

 

Matéria Mestre Octávio de Almeida

 
  O Jiu Jitsu Gracie foi desenvolvido e sedimentado pela família Gracie desde a década de 40 no Rio de Janeiro. Devido a diversos fatores, até os anos 60 essa arte ficou restrita basicamente ao Rio de Janeiro apenas a família Gracie e alunos que podiam pagar pelas mensalidades relativamente caras. Além disso, diversas outras artes marciais começaram a se expandir no Brasil, especialmente o Judô na década de 60/70 e o Karatê na década de 80.
Apesar de todos esses obstáculos, o Jiu Jitsu Gracie teve em São Paulo um importante núcleo iniciado por George Gracie e seus alunos. Um dos mais importantes foi Octávio de Almeida, pai do atual presidente da Federação Paulista de Jiu Jitsu, Octávio de Almeida Junior.

A história desse mestre teve início na capital paulista onde nasceu em 02 de Novembro de 1927. São Paulo foi uma das cidades que atraiu um grande número de imigrantes japoneses e dentre eles diversos praticantes do Judô. Um dos mais importantes pioneiros do Judô foi Yassuitchi Ono e seu irmão mais novo Naotchi Ono, ambos inclusive rivais da família Gracie.

Octavio de Almeida na década de 50
Octávio de Almeida começou praticando Judô com Sensei Yassuitchi Ono até graduar-se faixa preta. Algum tempo depois, Octávio conheceu o George Gracie que veio divulgar o Jiu Jitsu em São Paulo e começa a treinar exatamente no dia 06 de Janeiro de 1950.

É importante frisar que até a década de 50, o Judô praticado dava também muita ênfase ao NeWaza(técnicas de solo) e portanto, era muito parecido com o Jiu Jitsu praticado pela família Gracie. Até mesmo a nomeclatura usada era a mesma e os irmãos Ono ainda usavam o termo Jiu Jitsu. Muitos países tambem usavam a designação “Jiu Jitsu de Kano” e a separação definitiva entre as duas modalidades demorou a ocorrer.

Essa familiaridade com o Judô “tradicional” fez com que Octávio de Almeida passasse rapidamente a ser o aluno mais graduado de George Gracie. Por volta de 1951, Octávio de Almeida já era um dos instrutores de confiança de George Gracie e a Academia localizada na Rua Maria Marcolina nº 53 no centro de São Paulo já atraía muitos alunos buscando aprender Defesa Pessoal e o Jiu Jitsu Gracie.

Yassuitchi Ono (esq.): primeiro professor de Octavio de Almeida

Foi justamente nessa época que George Gracie resolve deixar São Paulo para dar continuidade as suas costumeiras andanças. O temperamento imprevisível de George espantava até mesmo seus amigos mais próximos e o modo como partiu deixa isso claro. A princípio George viajou sem avisar e após alguns dias liga comunicando que não iria mais retornar. Os alunos ficam perplexos e pedem a Octávio de Almeida que assuma os alunos. George aprova a solicitação e a partir disso Octávio dá início a sua brilhante carreira de professor de Jiu Jitsu.

Durante algum tempo Otavio ainda mantinha o nome: ”Academia de Jiu Jitsu e Defesa Pessoal George Gracie do Prof. Octávio de Almeida” com o aval de George, que chegou a voltar apenas de passagem dois anos após sua partida.

Após 10 anos na Rua Maria Marcolina, Octavio decide mudar sua academia para Rua Augusta nº 1928, já com o nome “Academia Octávio de Almeida de Jiu Jitsu e Defesa Pessoal”. Após algum tempo, muda-se novamente para Rua da Consolação nº 2416 onde permanece 14 anos e depois para Rua Lisboa onde ensinou Jiu Jitsu quase 30 anos.

A importância de Octávio de Almeida foi crucial para o desenvolvimento do Jiu Jitsu paulista, pois nas décadas de 50 e 60 a cidade só contava com a presença dos professores Gastão Gracie e Pedro Hemetério que adotavam o sistema de aulas individuais característico da Academia Gracie do Rio de Janeiro.

Octavio de Almeida no auge da forma física.

As inovações

A Academia de Octávio de Almeida tinha várias características que a tornava única. A começar pela formação de Octávio que contou com mestres lendários tanto no Judô como no Jiu Jitsu. Além disso, a academia de Octávio de Almeida era um local onde qualquer cidadão conseguia uma interação mais rápida e fácil pois as academias de Gastão Gracie e Pedro Hemetério tinham um custo relativamente alto e as academia de Judô atraíam principalmente os japoneses pela identificação com o idioma e costumes.

Lourdes Auler Coimbra, aluna de Octavio, faz demonstração de defesa pessoal feminina com o professor para matéria de revista da década de 60.

Além de quebrar esses paradigmas, a Academia de Octávio de Almeida foi pioneira em formar turmas femininas e infantis de Jiu Jitsu. Dotado de um carisma ímpar, Octávio aos poucos foi se especializando nas turmas infantis e seus campeonatos internos, que aconteciam inicialmente na própria academia, passaram a ser no auditório do Liceu Eduardo Prado.

O primeiro Campeonato Paulista Infantil aconteceu em 1969 e foi transmitido em um programa do canal 7 com patrocínio do Pão Pulmann e após o sucesso inicial, acontecia anualmente.

Os “Festivais”, como eram conhecidos os campeonatos infantis, atraíam uma quantidade de crianças que nem mesmo a Academia Gracie no Rio de Janeiro conseguira na época. Outro destaque eram os enormes e ornamentados troféus que Octávio de Almeida mandava confeccionar para incentivar os atletas.

Além da preocupação pedagógica, Octávio possuía uma incrível organização e arquivos detalhados sobre cada aluno. As fichas continham todos os dados dos alunos e também os resultados nos campeonatos, datas de graduação e informações sobre o desempenho escolar, que era condição exigida para as trocas de faixas. As aulas para as crianças, que no primeiro momento causou certa desconfiança por parte de alguns, alcançou tamanha popularidade entre as famílias paulistanas que em determinados períodos a Academia Octávio de Almeida contava com 350 crianças matriculadas.

Festivais de Octavio de Almeida: presença da sociedade paulistana.

As realizações

Somado ao trabalho com crianças, Mestre Octávio de Almeida formou excelentes atletas e deixou um legado que é perpetuado através de seus melhores alunos que hoje atuam na capital paulista como professores . Dentre os mais importantes podemos citar o Mestre Oswaldo Carnivalle, que em entrevistassempre deixa transparecer a admiração que nutre por Octávio de Almeida.

A tradição do Jiu Jitsu de Octávio de Almeida também pode ser encontrada na academia de seu filho Octávio de Almeida Junior que cresceu na academia do pai e mantém sua equipe ativa. Além disso, Octávio de Almeida Junior tem feito um incansável trabalho como presidente da Federação Paulista de Jiu Jitsu. Na atual sede da Federação Paulista de Jiu Jitsu é possível ver diversas fotos onde Octávio de Almeida Junior homenageia seu pai. A atual equipe de Octávio de Almeida Junior também foi responsável pela formação de diversos atletas e professores que conduziram o Jiu Jitsu paulista ao alto nível atual.

Torneios beneficientes: preocupação de Octavio de Almeida com o próximo.

Outro importante aluno de Octávio de Almeida foi Moisés Muradi. Moisés além de sua carreira como atleta e professor, teve como destaque sua atuação na presidência da FESP, federação que também atua em São Paulo. Atualmente Moisés é presidente da CBJJE e também se dedica a promover campeonatos além de manter sua equipe Lótus Jiu Jitsu.

Seria impossível citar aqui todos os alunos e professores que Octávio de Almeida formou. Mais difícil ainda seria listar as pessoas que Octávio orientou e influi positivamente seja na parte esportiva ou no aspecto comportamental. O que se torna evidente é o fascínio que Octávio de Almeida exercia. Em todas as entrevistas dos professores Carnivalle, Moisés Muradi, Romeu Bertho, Candoca, Flavio Behring e outros, os comentários sobre Otávio são sempre relativos à sua retidão de caráter e importância na sua atuação para manter o Jiu Jitsu paulista vivo, mesmo estando longe da Academia Gracie.

Outro feito de Octávio de Almeida que merece destaque foi a criação em 1965 de um Departamento de Jiu Jitsu dentro da Federação Paulista de Pugilismo que era responsável por todos os esportes de combate da época. A criação desse departamento foi um degrau importante para a oficialização do Jiu Jitsu e dentre outros serviços, emitia diplomas, formalizava regras e designava juízes para lutas.

Academia Octávio de Almeida promoveu em 1976 o primeiro torneio paulista de Jiu Jitsu. O Pacaembu que já era palco para diversos eventos de Judô, Luta Livre e Vale Tudo acolheu o primeiro campeonato de Jiu Jitsu com a participação das equipes das Academias de Octávio de Almeida, Oswaldo Carnivalle e Pedro Hemetério.

Enfrentando Waldemar Santana

Octávio de Almeida teve como foco principal sua atuação como professor de Jiu Jitsu e educador de crianças. O que poucos sabem é que ele também enfrentou desafios e o maior deles foi contra Valdemar Santana.

Waldemar já havia ganhado de Hélio Gracie há dois anos e desde então passou a viajar pelo Brasil lutando com os maiores nomes do Vale Tudo do Brasil. Ao passar por São Paulo, à princípio Valdemar quis enfrentar Pedro Hemetério, mas a luta acabou não acontecendo. Foi então que Octávio de Almeida aceitou o desafio.

A luta aconteceu em 05 de Junho de 1957 no Ginásio do Pacaembu em São Paulo e foi dentro das regras do Jiu Jitsu de kimono. O resultado da luta foi a vitória de Waldemar devido a desistência de Octávio de Almeida aos quatro minutos do primeiro round. Segundo as declarações dadas por Octávio de Almeida à diversos jornais da época, Waldemar usou vários golpes proibidos como dedo nos olhos e joelhadas, mesmo sob o protesto de Octávio. Como o juiz não intercedeu, Octávio optou por desistir da luta. Apesar do pedido de Octávio para uma revanche, Waldemar impôs uma bolsa altíssima que inviabilizou a nova luta.

A partida do mestre

Em 17 de Janeiro de 1983, aos 55 anos, Octávio de Almeida sofre um enfarto e falece precocemente deixando uma legião de alunos e admiradores. Sua liderança jamais conseguiria ser substituída, mas o caminho que o Jiu Jitsu paulista iria galgar graças a sua obra, seria hoje com certeza motivo de orgulho para o Mestre.

Octávio de Almeida (1º à esquerda) com alunos na década de 60.

Apesar da atuação de Octávio de Almeida deixar essa lacuna insubstituível, seu filho Octávio de Almeida Junior e outros professores como Oswaldo Carnivalle,Moisés Muradi e Roberto Lage fizeram um trabalho importante até a chegada de Flavio Behring no começo dos anos 90 dando um novo impulso ao Jiu Jitsu de São Paulo.

A partir da década de 90, a regularidade de campeonatos e o nível dos atletas aumenta dando amplitude e reconhecimento ao pioneiro trabalho iniciado por essa grande liderança do Jiu Jitsu paulista que foi Octávio de Almeida.

Fonte: Site: Brasil Combate

Pump e benefícios!

O Pump é uma aula muito procurada nas academias e também um dos programas de maior sucesso na história do Fitness.
Uma das maiores revoluções do Fitness mundial, o Pump conquistou mais de 70 países e o coração de milhões de praticantes, através do treinamento de força, resistência, melhora da postura e a desejada definição muscular que essa aula proporciona. Anilhas e barras, músicas alucinantes com combinações seguras e eficazes. Ficar em forma nunca foi tão prazeroso antes desta aula.PUMP é, provavelmente, a maneira mais rápida do universo de entrar em forma.
A aula dura de 55 minutos a 1 hora, possui 10 músicas, que sempre respeitam a mesma ordem e não podem ser puladas ou trocadas de posição, pois a aula já foi testada e os resultados são comprovados quando feita dessa maneira. Qualquer tipo de alteração descaracteriza a aula e interferem nos resultados esperados. O PUMP verdadeiro segue a seguinte ordem das músicas:

1- Aquecimento

2- Agachamento

3- Peito

4- Costas/ Glúteos/ Posteriores de coxa

5- Tríceps

6- Bíceps

7- Afundo

8- Ombros

9- Abdominal

10- Volta à calma/ Alongamento
Principais benefícios:

  • O Pump pode ser realizado por homens e mulheres de todos os níveis de condicionamento.
  • Grande gasto calórico (em média de 400 a 500 calorias em 1 hora de aula).
  • Melhora da resistência e da força muscular.
  • Ajuda na queima de gorduras localizadas, definindo a musculatura.
  • Elimina ou ameniza a flacidez.
  • Promete rápida mudança estética.
  • Melhora da postura.
  • Grande motivação.

Fonte: http://www.bodysystems.com.br/novosite/progr/programas_bp.asp?item=oqe

Spinning – Uma saudável mania!

Nem todo mundo pode dar suas pedaladas por uma paisagem agradável nasgrandes cidades. Como resposta, o ciclismo indoor veio como uma tempestade para a indústria de Fitness

Nenhuma modalidade esportiva, desde o Step, foi recebida com tanto entusiasmo e por uma variedade tão grande de pessoas. Indivíduos de várias idades e níveis de condicionamento estão participando de aulas de ciclismo e o mercado continua crescendo.

Por que o ciclismo indoor tornou-se tão popular? Talvez porque não tenha passos complicados como as aulas de exercícios em grupo na maioria das academias. Talvez porque queima muitas calorias (em média de 600 a 800 calorias por hora aula). Mas, na verdade, o ciclismo indoor é considerado como a mais entusiasmante e intensa atividade das propostas atuais, trazendo resultados certeiros para quem quer aprimorar a resistência cardiovascular respiratória e a perda de peso enfatizando o trabalho neuromuscular. Isto porque o ininterrupto movimento de pedalar exige a participação de grande parte dos músculos dos membros inferiores, além do tronco e membros superiores envolvidos direta e indiretamente no trabalho e muitos outros benefícios.

Há vários programas de ciclismo indoor. O Spinning é um deles, apresentando um completo programa de atividades em bicicletas estacionárias, através da simulação de vários percursos formados basicamente de retas, com o uso de pouca ou moderada resistência e subidas, aumentando a resistência.

Em cada tipo de terreno simulado existem também duas posições do corpo: sentada e em pé. Estas posições e terrenos são combinados para criar várias técnicas, simulando situações encontradas no ciclismo de rua.

A primeira técnica que o aluno aprende é como pedalar sentado no plano. Depois como pedalar sentado com carga. O próximo passo é aprender a pedalar em pé no plano e depois, em pé na subida. Depois de adquirir mais habilidade em sentar e ficar de pé, o aluno aprende os jumps (saltos) que compõem uma técnica mais avançada, combinando as técnicas; sentada e em pé.

Ainda num estágio futuro está o Sprinting que é uma corrida de curta distância, na qual a pessoa pedala num ritmo crescente por um determinado tempo. À medida que o praticante progride, outras técnicas e conceitos serão introduzidos. Além da posição do corpo, há três posições básicas para apoio das mãos, que ajudam a eliminar a fadiga dos ombros, cotovelos e punhos.

As aulas de ciclismo indoor se encaixam perfeitamente no conceito de treinamento intervalado (alternando picos de intensidade moderada e alta, com períodos de recuperação) através de diferentes métodos de treinamento da capacidade aeróbia e anaeróbia.

Um dos fatores de motivação no Spinning, senão o maior são as músicas tocadas nas aulas. Além de incentivar os praticantes, determinam a cadência dos movimentos. Normalmente para uma aula de 45 minutos, serão utilizadas em média 10 ou 11 músicas para a composição da fita cassete.

Dicas importantes:

  • É essencial controlar a freqüência cardíaca para medir o esforço durante o exercício;
    Identifique a sua zona de F.C. de treinamento e respeite-a, pois podem existir diferentes níveis de condicionamento e adaptação dentro da mesma classe;
  • Tenha sempre uma garrafa de água e uma toalha por perto;
  • Ajuste adequadamente a altura do selim;
  • Ajuste a altura do guidão;
  • Ajuste o firma pé;
  • Conheça o sistema de frenagem;
  • Prenda os cadarços dos tênis;
  • Cuidado com a postura;
  • Use um tênis de cano baixo e sola reforçada na parte anterior;
  • Use roupas justas e confortáveis e de preferência bermudas alcochoadas, especiais para aulas de ciclismo;
  • Se for sua primeira aula, avise o professor para que ele lhe oriente;
  • Limpe a sua bicicleta após o uso;
  • Chegue 10 minutos antes da aula;
  • Faça pelo menos duas aulas por semana, para obter resultados satisfatórios;
  • Respeite as orientações dadas pelo professor;
  • Nunca tire os pés dos pedais sem antes parar de pedalar.

As aulas de Spinning são divertidas e simples após a fase de adaptação. Experimente! Você vai adorar.

Atenção: caso você tenha algum problema de coluna ou alguma lesão, principalmente nas pernas e joelhos, consulte o médico antes de fazer a aula para ter certeza de que é seguro.